Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O EVANGÉLICO ,O CASAMENTO O DIVORCIO E O NOVO CASAMENTO,ISSO




 



Crente pode se divorciar e casar novamente? Esposa que sofre violência física do marido, deve permanecer casada? Pastor que se divorcia pode continuar pregando a Palavra de Deus? Estas são apenas algumas das perguntas que você confere no 2º Debate Ogalileo. Imperdível!

Para falar sobre o divórcio, o Portal Ogalileo convidou o Pastor Carlos Bregantim, da Comunidade Caminho da Graça - cujo líder é o Rev. Caio Fábio - e o Reitor do Seminário Bíblico Palavra da Vida, Pr. Carlos Osvaldo, com a moderação de Danilo Fernandes.

Fonte: www.ogalileo.com.br

O debate foi rico no campo das idéias, contando ainda, além dos debatedores, com a participação do Rev. Hernandes Dias Lopes. Meus parabéns ao irmão Danilo Fernandes e ao portal O Galileo pela realização desse debate, que trouxe um assunto atual e polêmico no meio evangélico.

38 comentários:


Webstter Ogessi disse...
parabens por este debate,so nao comentei porque ainda nao o ouvi,por nao ter tido tempo
Rubinho Osório disse...
pastor, interessante o debate, com duas pessoas muito sérias e equilibradas. Penso que passamos a maior parte do tempo, como nesse debate, tentando achar regras, receitas para seguir, para facilitar a vida. Parece-me a atitude de Jesus foi sempre de ir além das regras, e colocou sempre a GRAÇA e O AMOR como fundamentos do agir. E essa devia ser a posição da Igreja, invés de procurar descobrir "pode"-"não pode".
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Acredito que você vai achar interessante, após dar uma conferida, até porque houve uma postagem no ano passado aqui no blog, que apesar de não ser sobre esse assunto, acabou puxando um gancho nos comentários sobre ele. Abraço.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Rubinho, Também acho o mesmo. O Bragantim tentou dizer algo semelhante em suas opiniões. Abraço.
Webstter Ogessi disse...
é triste observar que um dos maiores desafios que os casados enfrentam hoje vem de igrejas que ensinam falsas doutrinas sobre a santidade deste relacionamento especial.Muitos pastores teologos procuram amenizar as exigencias do senhor, dando abertura para pessoas entrarem ou ficarem em casamentos ilicitos.Estes e outros problemas doutrinarios vem de uma tendencia maior de adaptar a mensagem da igreja para se adequar aos padroes da sociedade.O divorcio se tornou muito mais comum nas ultimas duas geraçoes, e igrejas, em geral, tem modificado sua mensagem para nao condenar o que a sociedade aprova.Apesar das tendencias erradas da sociedade, nos podemos e devemos manter a pureza e a santidade do casamento, respeitando os principios revelados por Deus durante a vida toda. "E nao vos conformeis com este seculo, mas transformai-vos pela renovaçao da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradavel e perfeita vontade de Deus" romanos 12:2
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, É um assunto sério que merece um cuidadoso estudo através das Escrituras Sagradas, para que a sua interpretação não fique comprometida com extremismos. Abraço.
Webstter Ogessi disse...
a pessoa divorciada nao tem opçao de se casar novamente.Em 1corintios 7:10-11,Paulo deu duas escolhas aqueles que haviam se divorciado: permanecer descasado ou entao se reconciliar com o seu par. Novo casamento de divorciados é adultério.É adultério para aquele que se divorcia de seu par Marcos 10:11-12, para aquele que está divorciado Mateus5:32 e para aqueles que se casam com pessoas divorciadas Lucas 16:18. De acordo com Romanos 7:2-3 o adultério continua enquanto se esta casado com um segundo par e o primeiro ainda vive.Exceto aquele que se divorciou de seu par por traiçao conjugal Mateus 19:9. Nenhuma exceçao é dada aquelas pessoas cujos divorcios nao envolveram traiçao. Nenhuma exceçao é dada aqueles que receberam o divorcio. A exceçao é dada somente aqueles que se divorciaram por motivo de traiçao do outro conjuge.
Rubinho Osório disse...
Não creio que a intenção de Jesus fosse a de criar "pode" e "não pode", como um livro de receitas para seus discípulos. Estranho, portanto, quando afirmam regras peremptórias e definitivas, sem exceção a respeito de qualquer fato da vida. Isto não quer dizer que o divórcio não seja pecado, ou efeito do pecado, e que melhor seria se não fosse necessário. Significa dizer que eu não posso, a não ser para mim mesmo, dizer "não é permitido divorciar", "não é permitido re-casar". Significa, pelo menos para mim mesmo, a exigência de mais amor e graça - e não julgamento - para com aqueles que passam pela tragédia de um divórcio.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Cuidado ao fazer uma interpretação literal, sem olhar o contexto histórico e ao modo como Jesus tratou as pessoas. Quando a gente lê o evangelho, vemos que o ensino de Jesus não é somente quando proferia sermões e parábolas, mas sobretudo como tratava as pessoas, afinal de contas "Ele não esmaga a cana quebrada e não apaga o pavio que fumega". Sobre o texto de Mateus 19, é bom que fique claro que, Jesus não “puxou” este assunto. E quando falou, foi dentro de um contexto: a briga judaica entre as teses dos rabinos Shamai e Hillel, na interpretação de Deuteronômio 24:1-4. Acontece que nós lemos Mateus 5: 31 e 32 e pensamos nele com nossas categorias ocidentais, e quase nunca levamos em consideração o contexto no qual Jesus disse esta palavra. Naqueles dias, embora a poligamia e a bigamia, tão constantes no Antigo Testamento — ainda existissem, desde o exílio em Babilônia que ela vinha diminuindo por questões econômicas, como é obvio! Prova disso é que em João 8, no episódio da mulher adultera e Jesus, não se apresenta o “homem” com quem essa “adultera”, adulterara. “Ele”, o homem, estava isento das pedradas. Mas a mulher estava lá, seminua ou nua, exposta a todos. Portanto, quando Jesus diz que a Lei dizia que um homem poderia des-cartar a sua mulher dando-lhe uma carta de divórcio, Ele falava isto a uma assembléia machista, que praticava isto com muita alegria e facilidade. Tudo era motivo para se divorciar. Literalmente, por qualquer motivo, como vemos em alguns especialistas em Novo Testamento como Joaquim Jeremias (Mt 19:3). Isto para não falarmos na briga doutrinária que havia, nos dias de Jesus, entre as escolas de Shamai e Hillel em relação ao tema em questão. Era o reino da banalidade relacional. Nesse caso, o que Jesus diz, levando-se em consideração o “contexto historio”, é basicamente o seguinte: 1) Se, para vocês, a mulher é adúltera quando trai o seu marido, dando-se fisicamente a um homem, todavia, vocês, os homens, também cometem adultério pelo modo “natural” como olham e desejam mulheres (MT 5:28); 2) A razão, portanto, tinha a ver com o estigma que a “repudiada”, a divorciada, carregaria, naquela sociedade, daí para frente. Ao homem era permitido por qualquer motivo desamparar a esposa, repudiando-a, e, então, depois disto, era-lhe “lícito” escolher outra mulher e seguir adiante com sua vida. Não era sempre bigamia, mas era sempre uma monogamia sucessiva. Ela era extremamente praticada até que Shamai, um rabino, se levantou contra aquela injustiça, discutindo os “motivos justos para dar uma carta de divorcio”, que, à semelhança de Jesus, para ele, também era o adultério. O “repudio” do homem tornava a mulher, no mínimo, uma “repudiada” e, no caso dela prosseguir com a vida sem ter que se entregar à mendicância,a exporia a ser vista, para sempre, como adúltera. Dessa forma, Jesus afirma duas coisas: primeira, a seriedade do vinculo entre dois seres humanos numa relação de casamento; e, a segunda, a possibilidade de que a alma humana pudesse se endurecer tanto, que usasse a do outro, e depois, simplesmente a descarta-se, sem cuidado e sem proteção. Um abraço.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Rubinho, Também acredito assim. Fazer regras para os outros é fácil, quando muitas vezes, para nós mesmos, nem com o dedo mindinho estamos dispostos a levantar o jugo. Um abração.
Webstter Ogessi disse...
mais é justamente o que acontece hoje, muitos casais cristaos se divorciam por coisas banais.Firmando assim Jesus principios como base da sua legislaçao sobre o casamento.Paulo deu duas escolhas aqueles que haviam se divorciado, ja relatado neste blog.Um homem de 40 anos, sofrendo a classica crise da meia idade, sentou-se pra falar com um evangelista sobre seus problemas.Ele explicou como o seu casamento de 20 anos nao o satisfazia nem o completava mais.Enfim ele chegou a questao principal.Eu simplesmente nao a amo mais, ele disse. O que posso fazer? Apos um breve momento de reflexao, o evangelista disse decididamente, como eu vejo a situaçao, voce tem apenas uma opçao. O homem ficou atento esperando.O evangelista iria sugerir um divorcio?Ele estaria livre para correr atras do estilo de vida excitante da geraçao mais nova que ele havia começado a admirar?Qual era o conselho do evangelista?Parece pra mim que a unica coisa que lhe resta fazer é arrepender-se e começar a ama-la novamente.Com muita frequencia ouvimos de casais casados que reclamam que perderam o amor. Isso é triste porem acontece.A verdadeira questao é o que se pode fazer quando perceber que tal situaçao existe?A biblia ainda diz a mesma coisa que sempre disse.Os maridos devem amar suas mulheres efesios 5:25 e as esposas devem amar os seus maridos tito2:4.Notem que nao sao apenas sugestoes sao mandamentos.Falhar em amar seu campanheiro é cometer pecado!E o pecado sempre exige arrependimento para que tenha perdao.Nao é um amor mandado como apaixao melosa e boba de um adolescente imaturo. É muito mais que isso. É um amor sacrificador que busca o interesse do amado mais do que o de si mesmo. É o tipo de amor que Jesus nos mostrou efesios 5:2.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Acredito que ninguém em sã consciência vai gostar de saber que seu conjuge, o (a) ama por mandamento e não porque ama de verdade de livre e espontânea vontade. Apesar de haver casamentos adoecidos que vivem dessa forma. O divórcio é algo terrível, com muitas consequências e se houver possibilidade de se salvar um casamento, deve-se tentar. Jesus em Mateus 19, lembra o ideal divino na criação do homem e da mulher. Mas não podemos esquecer que vivemos num mundo caído e com os efeitos da Queda. O próprio Jesus reconhecia isso. Tanto é, que quando Ele encontrou a Samaritana, que já tinha passado por cinco casamentos frustrados e agora tinha um "caso", o Mestre não fez como alguns líderes incensíveis a dor humana (quando acontece com eles a história é outra) que chegariam simplesmente para a mulher e diriam: "Você está em adultério porque já foi casada várias vezes e agora vive com uma pessoa sem casar. Se você não largar essa pessoa e passar a viver sozinha, você está em pecado e vai para o inferno!" O problema para os fariseus de plantão é que Jesus não fez isso, antes mesmo sabendo que eles não estavam casados, Ele diz a mulher: "vai, chama teu "marido" e vem cá". O amor de Deus é inclusivo e não exclusivo. Um abraço.
Rubinho Osório disse...
Não que eu concorde integralmente com o texto, mas é importantíssimo para o assunto em questão o texto publicado hoje pelo Paulo Brabo em seu site "A Bacia das Almas": http://www.baciadasalmas.com/2010/os-discursos-ausentes-jesus-morreu-em-seu-lugar-1/ Vale a pena a visita!
Juber Donizete Gonçalves disse...
Rubinho, Concordando ou não com ele, o texto do Paulo Brabo como outros que escreve são de uma riqueza de conhecimento muito grande. Penso que é difícil para muitos cristãos aceitar as seguintes frases: "Está consumado! (Está pago), ou a outra, "Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo". Acham mais fácil viver na lei, no "pagar o preço", do que em crer que nós não somos justos pela minha justiça, mas simplesmente por aceitar que é a justiça de Deus que nos justifica. Um grande abraço.
Webstter Ogessi disse...
Isso nao quer dizer que Jesus apoiou a situaçao da mulher, por isto creio que foi um dos motivos do dialogo, mudança de rota de vida outras escolhas.
Webstter Ogessi disse...
a pesar de sermos livres Deus nos deixou mandamentos.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, O texto bíblico está muito claro: Jesus não excluiu nem a mulher nem seu "companheiro". E também não mandou ela se separar porque já havia sido casada antes. Quanto aos mandamentos, me lembro de uma frase que o Pr. Enoque Vieira (AD Goânia)quando ministrou em Uberlândia, ele disse uma frase que eu não esqueci: "Para Jesus, rasga-se um mandamento, em prol da vida". Essa frase coaduna com o Evangelho, pois Jesus disse aos fariseus quando questionado porque os discípulos não cumpriam a lei cerimonial de lavar as mãos: "Nunca lestes que Davi comeu os pães da preposição (reservados aos sacerdotes) quando estava com fome. Ide e aprendei o que significa: misericórdia quero e não sacrifícios". Abraço.
Webstter Ogessi disse...
NAO MANDAR SE SEPARAR NAO QUER DIZER QUE ELE APOIAVA A SITUAÇAO.A PALAVRA DE DEUS É COMO UM MANUAL PARA NOSSAS VIDAS, SE NAO HA OBEDECEMOS ARCAMOS COM AS CONSEQUENCIAS.QUANTO AO QUE O PASTOR DISSE, AINDA BEM QUE FOI UM HOMEM QUEM DISSE, E NAO jESUS,E CREIO QUE QUANDO O MESMO DISSE ISTO NAO ESTAVA OLHANDO PELA MESMA OTICA QUE VOCE O CASAMENTO. JA EM RELAÇAO A DAVI E FARIZEUS A QUESTAO CASAMENTO NAO É DISCUTIDA EM QUESTAO. UM ABRAÇO!
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Aí eu pergunto: Quem é maior? O Mestre ou o discípulo? Se Jesus não mandou separar, quem somos nós para dizer o contrário? O pastor Enoque foi muito feliz em suas palavras. O que ele disse foi praticamente parafrasear o ensino de Jesus, na questão envolvendo Davi e sobre o Sábado. Leia com muita atenção, o texto de Mateus 12:1-21. Gostaria na oportunidade de fazer alguns esclarecimentos, na intenção de ser bem claro no que digo. Vamos lá então: 1) Não sou a favor do divórcio. Como pastor nunca mandei ninguém divorciar, antes tento de todas as formas aconselhar para que se salve o casamento. Já ajudei casais que estavam em processo de separação, a se reconciarem. 2) Porém, infelizmente nem sempre isso é possível e nos deparamos com casos de divórcio, seja de pessoas que já vieram para a igreja nessa condição, ou de pessoas que divorciaram sendo membros. 3) Fica a pergunta: O que fazer com os divorciados? E se a pessoa não foi traída ou abandonada (que seria as exceções, segundo os intérpretes da lei modernos), mas sofre outros tipos de abuso, incluindo agressão física ou psicológica? Acabou para eles? Não serão salvos? A membrasia deve ser negada a eles? Terão que viver sozinhos para sempre? Será que uma pessoa que julga os divorciados com tanto rigor, citando leis e mandamentos, interpretaria da mesma forma, se um dia passasse por um divórcio?
Webstter Ogessi disse...
so que nao mandou tambem que continuacem, permanececem juntos. No outro caso que voce disse o que a biblia recomenda é nao casar novamente é o que paulo recomenda.É o que a palavra recomenda.Ate parece que no final do seu comentario voce torce para pessoas que pensam como eu se divorcie para ver a nossa reaçao.Tomara que eu esteja enganado. Sempre peço a Deus que ajude amim e minha esposa para permanecermos juntos com nossas filhas.Pois o divorcio afeta a todos, ate a parentela mais distante.
Webstter Ogessi disse...
oh juber ai fica dificil vc nao publicou minha resposta, ai fica como se vc tivesse com a razao. Voce fez perguntas, e dei as respostas,nao publica-las para os demais blogueiros tirarem suas conclusoes complica.Mas tudo bem respeito sua decisao, o blog é seu vc coloca se quizer! a paz
Diones e Dana Sousa disse...
A questão do divorcio, hoje em dia no meio evangélico esta virando moda. Porque? porque pastores igrejas deixaram de revelar os ensinamentos bíblicos e pregar a valorização da familia, como base principal da sustentação de um casamento. Jesus realmente não repodiou e nem condenou a mulher Samaritana e nem a mulher que foi apresentada a Ele e adultério(Joao 8:1a11), Mas o senhor estava revelando o seu amor, hoje nós temos a graça do evangelho revelado e a luz da palavra ela não pode dixar dúvidas ou ser simplesmente por interpretação humana. Vejo que uma pessoa divorciada ela tem o direito de começar de novo pelos versiculos ja colocados no blogger, mas que seja orientada que está em pecado, porque está na palavra. Não devemos repudiar e nem condenar porque Deus é amor e zela pelos seus, mas vejo que nesta situação temos que utilizar o livre Arbitrio. E que compete ao Senhor ao senhor fazer o julgamento,mas tem que ser mostrada que é pecado se não fica facil adortarmos meios para modificar o que foi revelado. realmente o amor não pode ser um mandamento, e ninguem deva amar por mandamentos, amor e algo que temos que sentir e viver. mas na sociedade atual e até da epoca vivemos por leis, Se não cumprimos com as leis somos julgados. É mais correto ensinar o certo e a nossa consciência nos revelar. Para encerrar em hebreus 13:4
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Qual comentário que você mandou que eu não publiquei? Estão todos aqui, e se porventura faltou algum, me reenvie que eu publicarei. Sua frase foi estranha: "ai fica como se vc tivesse com a razao". É claro que jamais "torceria" para que você divorciasse. Sou cristão, desejo o melhor para você e sua família. Mas é que eu já vi muitas vezes na igreja, foram pessoas julgarem os outros com muita rigidez, citando trechos da Bíblia, dizendo que a "o mandamento da Palavra era assim e ponto final", inclusive sobre o divórcio. Mas depois que vivenciaram certas situações na vida, a interpretação do texto mudou muito. Foi isso que eu quis dizer. Um abraço.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Me desculpe, mas você não respondeu as perguntas. Vou repetí-las: O que fazer com os divorciados? E se a pessoa não foi traída ou abandonada (que seria as exceções, segundo os intérpretes da lei modernos), mas sofre outros tipos de abuso, incluindo agressão física ou psicológica? Acabou para eles? Não serão salvos? A membrasia deve ser negada a eles? Terão que viver sozinhos para sempre? Será que uma pessoa que julga os divorciados com tanto rigor, citando leis e mandamentos, interpretaria da mesma forma, se um dia passasse por um divórcio? Um abraço.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Diones e Lana, Prazer em ter você por aqui, meu irmão! Concordo com você que o leito deve ser sem mácula, conforme Hebreus. E também concordo que se deve dar maior atenção ao ensino da Palavra, pois são muitos os perigos que a família enfrenta hoje. O dicionário Aurélio de língua portuguesa define assim a palavra "imputar": "Atribuir a alguém, a alguma coisa a responsabilidade de; assacar: imputar um roubo a um empregado. Qualificar de delito, falta ou erro". Porque estou citando isso? Porque a Bíblia diz no Salmo 32 e depois Paulo repete em Romanos 3, o seguinte: Bem aventurado é o homem a quem "o Senhor não imputa pecado". Um abraço.
Webstter Ogessi disse...
havendo separaçao fora da traiçao, a biblia recomenda que nao se case novamente enquanto um dos conjuges estiverem vivos.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, As perguntas que eu fiz e não foram respondidas, eram justamente sobre qual seria a situação de quem divorciou por motivos que não fossem a infidelidade ou abandono do lar do parceiro e depois se casou novamente. O "x" da questão é: o divórcio é algo que deve ser evitado, mas depois do fato acontecido, a igreja deve tratar a pessoa com amor e não como um grupo de talibans extremistas. Há pessoas que não se divorciaram pelos dois motivos citados acima e se casaram novamente. Estariam então em pecado, ou adultério permanente? Aí estaria fazendo igual a uma determinada denominação, onde o adultério é o pecado imperdoável, lá pecou, acabou, não tem mais oportunidade. A pessoa nem vai para outra igreja, porque colocam na cabeça dela que ela não tem mais salvação. Na Bíblia, o único pecado imperdoável é aquele contra o Espírito Santo e não o divórcio e adultério. A igreja tem que agir como uma comunidade terapêutica (pelo menos deveria ser), inclusiva, aplicando toda a compreensão do evangelho aos divorciados e recasados. Devem ser ensinados sobre a aplicação da Graça de Deus em suas vidas, a partir do arrependimento dos pecados, pois se houve arrependimento dos seus atos errados, não estão mais em adultério contínuo e podem receber uma nova oportunidade. Essa é a afirmação da Palavra de Deus em I Jo 2:1,2.
Webstter Ogessi disse...
vou responder pela terceira vez, nao sou eu quem diz é a palavra, caso a pessoa se divorcie por qualquer motivo nao sendo por traiçao, pode se separar mais que fique sem casar enquanto o ex viver.A biblia diz que se pode se divorciar e casar novamente somente quando houver traiçao por parte de um dos dois quando nao ha reconciliaçao.
Rubinho Osório disse...
É interessante a expressão "estar em pecado". Dá a impressão, para mim pelo menos, que o fato de eu estar casado e não ter adulterado significa que não "estou em pecado". Ora, minha consciência me aponta continuamente o pecado, que mora dentro de mim e que se manifesta de várias formas tão graves quanto o adultério e o divórcio, mas que parecem ser adequadamente colocadas em segundo plano eplas igrejas: mentira, avareza, orgulho, incredulidade, egoísmo, etc, etc, etc... são tantos!!! Por que essa ênfase nos tais "pecados sexuais" ??? Somos TODOS culpados de TODOS os outros!!!
Juber Donizete Gonçalves disse...
Rubinho, Meu irmão, só posso dizer que concordo totalmente com você! É isso mesmo, o pessoal escolheu gosta de fazer uma hierarquia de pecados, onde uns são maiores do que os outros - no caso, os sexuais e a questão do divórcio. Esquecem que somente quem imputa pecados é Deus, conforme o Salmo 32e Romananos 3. É a síndrome do irmão mais velho do filho pródigo. Um abração.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Não meu caro, não é a Bíblia quem diz, mas sim a interpretação literal que você fez do texto, sem qualquer regra hermenêutica, que manda olhar o texto, contexto, momento histórico, tempos e costumes bíblicos, para quem foi escrito e por que. Mas para ajudá-lo a entender melhor o texto que você gosta tanto de citar, vou indicar para você um texto disponível no Google muito interessante sobre o assunto. Para pesquisar, digite no Google o seguinte: O DIVÓRCIO, A LEI E JESUS Texto de Walter L. Callison Uma boa leitura!
Webstter Ogessi disse...
mais ai nao ficaria facil, nao deu certo, diz um ao outro vamos divorciar e depois casa com outra ou outro. Conheço casais cristaos que estao ja no quarto casamento.
Marcos Wandré disse...
Graça e Paz, Pr. Juber! O que penso é muitos cristãos se apegam tremendamente ao que está ESCRITO, mas não entendem o que está DITO. Um abração!
Juber Donizete Gonçalves disse...
Webstter, Aí já vai do livre-arbítrio de cada um.
Juber Donizete Gonçalves disse...
Marcos Wandré, Compreender a diferença entre o que está escrito e o que está dito, ajuda a entender muita coisa na vida cotidiana, relacionando com a Palava. Nem todos tem esse entendimento. Um grande abraço.
Anônimo disse...
Sinceramente pastor vejo q muitos tem procurado subterfúgios para fugir da verdade. Jesus foi claríssimo no q diz respeito ao divórcio somente em caso de traição. Não tem nem mesmo o q contestar. No antigo testamento Deus permitia o divórcio por causa da dureza do coração do homem , por serem extremamente carnais e não terem o espírito santo como hoje temos . Tanto é q as festas relatadas no antigo testameto eram festas extremamente carnais imagine se fossemos seguir o velho testamento ? como seria? Aceitar palavras , leis do velho tstamento é anular a graça de Deus e principalmente , anular as palavras de Jesus. Afinal não cremos ser ele o messias? Por em dúvida a palavra de cristo é extrememente complicado. Pastor e creio totalmente no poder de Deus para restaurar o casamento e Deus com certeza faz brotar o amor se preciso for faz reviver Meu cunhado andou um período fraco espiritualmente e dizia não sentir + amor pela esposa e q iria se separar pq não aguentava + ficar ao lado dela . Quando ele voltou a ter intimidade com Deus o amor se renovou e desistiu de separ-se e disse q havia voltado a amar a esposa. Pastor observo q as pessoas q enjoam , q não gostam mais de seus conjuges não estão bem espiritualmente ou até mesmo podem dizer q estão bem mais no fundo sabem q não estão. Outro fato q me chamou a atenção conversando com meu esposo é q grandes homen de Deus q se separam de suas esposas e casaram-se com outra mesmo não sendo a causa o adultério , não são mais como antes não tem mais aquela unção. Creio eu q essa uma das provas de q Deus não está nesse negócio. Deus o abençoe
Daiane disse...
Pastor o Sr relatou o caso da mulher q seria apedrejada. Não consigo uma pessoa q apresente argumentos bíblicos de verdade para apoiar o divórcio sem adutério por parte de um dos conjuges. Jesus não cobrou isso daquela mulher, simplesmente porque ela não conhecia a verdade quando praticou tal fato. Deus não leva em conta os tempos de ignorância. Vamos fazer uma analogia dessa situação com uma dos dias atuais. Ex:Uma mulher casada pela terceira vez se converte , aceita a Jesus. è obvio q Deus não cobrará da mulher q se separe pq casou, 3 vezes anteriormente. Agora Deus cobrará dela a partir do momento q a mesma conhece a verdade. Fico triste com o caminho igreja está tomando e imagino o meu Senhor triste com tal situação.
Anônimo disse...
Deus Condena terminantemente o Divórcio e o Novo Casamento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

"UM AMIGO DESEJÁVEL É SOCORRO EM TEMPO DE DIFICULDADES"